DISPONÍVEL EM 68 LÍNGUAS / SELECIONE SEU IDIOMA


AVAILABLE IN 68 LANGUAGES / SELECT YOUR LANGUAGE

Manchetes
Capa » CHANTAGENS RACISTAS – LITERATURA SOB CENSURA

CHANTAGENS RACISTAS – LITERATURA SOB CENSURA

A Cultura Brasileira não pode se tornar refém das emboscadas racistas e chantagens preconceituosas dessas patrulhas de abutres da literatura e muito menos podemos consentir a censura de autores e de obra literárias que vem sendo implantada no Brasil pelos famigerados caçadores da Liberdade de Expressão e de Criação. (Ruy Câmara)

FATOS:
Outro livro de Monteiro Lobato corre risco de ser censurado. Depois de pedir o banimento de ‘Caçadas de Pedrinho’ das escolas públicas, o Instituto de Advocacia Racial (IARA) mira sua artilharia no clássico ‘Negrinha’ do autor.
 
Leiam o artigo de Nathalia Goulart e Lectícia Maggi
Instituto de Advocacia Racial mira sua pontaria racista e preconceituosa em “Negrinha”, 
livro de contos de 1920. 
 
Depois de Caçadas de Pedrinho, outra obra de Monteiro Lobato tornou-se alvo de perseguição do Instituto de Advocacia Racial (Iara). O alvo da vez é Negrinha, livro lançado em 1920 e que reúne 22 contos do autor. O instituto protocolou, nesta terça-feira, uma ação administrativa na Controladoria Geral da União (CGU) questionando a distribuição da obra em escolas públicas. Assim como em Caçadas de Pedrinho, a alegação é que o livro possui elementos racistas.
 
Leia também:
 
 
Negrinha foi adotado pelo Programa Nacional Biblioteca na Escola (PNBE), do governo federal – o que incomoda o Iara. “Não se pode financiar com dinheiro público um livro didático que contenha estereótipos e preconceito”, alega Humberto Adami, advogado e diretor do Iara. Narrado em 3ª pessoa, o conto Negrinha, que integra o livro homônimo, é um dos mais elogiados do autor e consta, inclusive, na lista de Os cem melhores contos brasileiros do século, da editora Objetiva. Para o Iara, no entanto, passagens como “Negrinha era uma pobre órfã de sete anos. Preta? Não; fusca, mulatinha escura, de cabelos ruços e olhos assustados”, conteriam elementos racistas.
 
Segundo o técnico em gestão educacional Antonio Gomes da Costa Neto, um dos representantes do instituto, o objetivo da ação é que a CGU solicite à Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação (MEC) os pareceres técnicos que levaram à escolha da obra para integrar o acervo do PNBE. Como exige para Caçadas de Pedrinho, o instituto quer queNegrinha tenha uma nota explicativa reconhecendo que possui termos preconceituosos. “O conto é fortemente carregado de conteúdos raciais, mas temos a opção de agregar valor à obra reconhecendo que há estereótipos e passando a descontruí-los”, argumenta Neto. Além das notas técnicas nos livros, o Iara pede ao MEC que implemente uma política rigorosa de capacitação de professores para lidar com questões raciais dentro da sala de aula. Caso contrário, suspenda liminarmente a distribuição ou, em outras palavras, censure os livros.
 
Novo capítulo – Nesta terça-feira, uma nova audiência no MEC discute a distribuição deCaçadas de Pedrinho. No dia 11 de setembro, uma reunião convocada pelo ministro do Supermo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux não conseguiu resolver o impasse – que já se arrasta há dois anos. Em 2010, depois de denúncia da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial, o Conselho Nacional de Educação (CNE) determinouque a obra infanto-juvenil fosse banida das escolas. A repercussão do infeliz episódio fez com que o MEC pedisse ao CNE para reconsiderar a questão. O veto, então, foi anulado. O mandado de segurança pretende agora derrubar a anulação do parecer.
 
Embora juridicamente o assunto não tenha se resolvido, representantes do Iara sinalizam que podem desistir do pedido de nulidade se o MEC apresentar nesta terça-feira o que o instituto chama de “propostas concretas de ação”, ou seja, a veiculação da nota técnica e a elaboração de um plano para preparar docentes para lidar com a questão. Caso o encontro desta tarde termine sem acordo, o Iara pretende levar à questão ao plenário do Supremo Tribunal Federal (STF). Se, mesmo assim, as reivindicações não forem atendidas, o assunto pode parar nas cortes internacionais, ameaça Adami. “Não hesitarei em levar o tema à Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH)”, diz. A reunião desta terça-feira está prevista para às 14h e deve contar com a presença do secretário de Educação Básica do MEC, Cesar Callegari e da secretária Secretária da Cidadania e da Diversidade Cultural, Márcia Rollemberg, além de Humberto Adami e Antônio Gomes Neto.
Leia também:

RDA – República Democrática Alemã

A Alemanha Oriental ou Alemanha Socialista, oficialmente República Democrática Alemã (RDA) (em alemão: Deutsche Demokratische Republik – DDR), foi um Estado criado em 1949 no território da zona de ocupação soviética, uma das zonas ocupadas pelos Aliados na Alemanha após a Segunda Guerra Mundial, quando o território alemão foi dividido entre os Estados Unidos, Reino Unido, França e União Soviética. ...

Leia Mais »

UBE – União Brasileira de Escritores

O romancista, dramaturgo, roteirista e sociólogo brasileiro, Ruy Câmara, nasceu em Recife e viveu a infância em Fortaleza, estado do Ceará. Formado em tecnologia mecânica, cursou engenharia operacional e mecânica, estudou filosofia e antropologia como autodidata, bacharelou-se em sociologia e especializou-se em dramaturgia para teatro, cinema e televisão. Antes de entregar-se à literatura, Ruy Câmara exerceu os mais diversos ofícios: ...

Leia Mais »

Yekaterimburgo, Urais, Rússia

Ecaterimburgo ou Yekaterimburgo é a capital e principal centro industrial e cultural do Distrito Federal dos Urais, localizada na porção oriental dos montes Urais, Rússia. A cidade é conhecida por abrigar a Casa Ipatiev, onde a família Romanov foi executada, durante a Guerra Civil Russa. No local, foi construída a Igreja do Sangue, em celebração à canonização dos Romanov.  

Leia Mais »

Amazon.com

The novelist, playwright, script writer, and sociologist Ruy Câmara was born in Recife, Brazil. Before turning to literature, Câmara pursued a most varied career: Having graduated in mechanical technology, he studied production engineering, philosophy and sociology while also specializing in drama for theater, cinema and television. In 1992 he brought his family together and announced that he was quitting his ...

Leia Mais »