DISPONÍVEL EM 68 LÍNGUAS / SELECIONE SEU IDIOMA


AVAILABLE IN 68 LANGUAGES / SELECT YOUR LANGUAGE

Manchetes

Crônicas

600 ANOS DA FAMÍLIA CÂMARA

Dos bagos velhos dos velhos judeus e cristãos convertidos por imposição de Roma, JOÃO GONÇALVES ZARCO (DA CÂMARA DOS LOBOS – 1390 à 1471) e TRISTÃO VAZ TEIXEIRA (1395 à 1480), vieram todos os antepassados que perpetuam nos séculos os nomes das minhas famílias, Teixeira e Câmara. No próximo mês de JUNHO de 2019, eu, RUY TEIXEIRA CÂMARA, justamente com  minha mulher, ROSSANA ...

Leia Mais »

PARÁBOLA DO BURRO

Havia um burro amarrado a uma árvore. Veio o demônio e o soltou.  O burro entrou na horta dos camponeses vizinhos e começou a comer tudo. A mulher do camponês dono da horta, quando viu aquilo, pegou o rifle e disparou. O dono do burro ouviu o disparo, saiu, viu o burro morto, ficou louco de raiva, pegou seu rifle e ...

Leia Mais »

Confissão de Rubens Alves –

GANHEI CORAGEM, por Rubem Alves –  Colunista da Folha de São Paulo… “Mesmo o mais corajoso entre nós só raramente tem coragem para aquilo que ele realmente conhece”, observou Nietzsche. É o meu caso. Muitos pensamentos meus, eu guardei em segredo. Por medo. Alberto Camus, leitor de Nietzsche, acrescentou um detalhe acerca da hora em que a coragem chega: “Só tardiamente ganhamos a coragem de assumir aquilo que sabemos”. Tardiamente. Na ...

Leia Mais »

Elegia à Ray-Güde Mertin, a mais poderosa agente literária do planeta

  Ray-Güde Mertin, tradutora de diversos autores importantes da língua de Camões para a língua de Goethe, é reconhecida nas altas cortes das letras internacionais como a Agente Literária mais influente do planeta, responsável pelo êxito universal e por um bom pedaço do Nobel de José Saramago e de outros autores talentosos… Elegia à Ray-Güde Mertin, a mais poderosa agente literária do ...

Leia Mais »

GERARDO MELLO MOURÃO, POETA ABSOLUTO

Especial para o Caderno de Cultura do Diário do Nordeste Gerardo Mello Mourão, o poeta oracular e absoluto que tinha orgulho de dizer-se jagunço cearense há quatrocentos anos, não pôde ver o alvor do dia 09 de março de 2007 e virou a última página da sua história lutando pela vida com a mesma serenidade com que enfrentou tantas mortes ...

Leia Mais »

ELEGIA AO POETA JOSÉ TELLES

“Quantos mistérios se ocultam no ato de morrer?”, indaguei-me na chegada ao quarto e fiz um gesto solene ao ver o vate de Bitupitá, meu amigo de todas as horas, José Telles, deitado com as pálpebras entreabertas sobre um olhar espiritualizado, movendo apenas os braços e os lábios retorcidos, como se aquela impassividade de cadáver fosse o último recurso para ...

Leia Mais »

ENCONTRO COM JOSÉ SARAMAGO

Não há acaso, nem coincidência; o que há é circunstância e circunstância criada é fato consumado. Em sendo duas as circunstâncias que nos determinam nas trilhas incertas da vida, em primeira instância, as próprias circunstâncias, e só depois, as possibilidades circunstanciais, o romancista, dramaturgo e poeta português, José Saramago, autor da mais importante obra escrita em língua portuguesa neste século, tem ...

Leia Mais »