DISPONÍVEL EM 68 LÍNGUAS / SELECIONE SEU IDIOMA


AVAILABLE IN 68 LANGUAGES / SELECT YOUR LANGUAGE

Manchetes
Capa » BIBLIOTECA (Textos do Autor) » 600 ANOS DA FAMÍLIA CÂMARA

600 ANOS DA FAMÍLIA CÂMARA

Dos bagos velhos dos velhos judeus e cristãos convertidos por imposição de Roma, JOÃO GONÇALVES ZARCO (DA CÂMARA DOS LOBOS – 1390 à 1471) e TRISTÃO VAZ TEIXEIRA (1395 à 1480), vieram todos os antepassados que perpetuam nos séculos os nomes das minhas famílias, Teixeira e Câmara.

No próximo mês de JUNHO de 2019, eu, RUY TEIXEIRA CÂMARA, justamente com  minha mulher, ROSSANA BEZERRA DE MENEZES, estaremos no FUNCHAL, na ILHA DA MEDEIRA, comemorando os 600 anos da longeva FAMÍLIA CÂMARA e saudando os 600 anos de descoberta do Arquipélago da Madeira, pelos meus antepassados, JOÃO GONÇALVES ZARCO (DA CÂMARA DOS LOBOS) e TRISTÃO VAZ TEIXEIRA, ambos fidalgos cavaleiros da Casa do Infante D. Henrique, de Portugal.

Quando o infante D. Henrique se lançou na bem sucedida aventura das descobertas e das explorações marítimas, João Gonçalves Zarco foi o primeiro que se lhe ofereceu para o coadjuvar nesses empreendimentos e o segundo foi Tristão Vaz Teixeira. 

Após haverem escapado do cerco de Tanger e dos cambates para a tomada de Ceuta (1415), esses dois bravos navegadores se lançaram na aventura das descobertas marítimas e no dia 02 de julho de 1419, há 600 anos, atracaram em uma ferradura litorânea da ilha e batizaram o local de CÂMARA DOS LOBOS, devido a existência de muitas colônias de lobos marinhos que eles caçavam.

A colonização do arquipélago iniciou-se por volta de 1425, por iniciativa de D. João I ou do Infante D. Henrique. A partir de 1440, quando estabeleceram o regime das capitanias hereditárias, Tristão Vaz Teixeira foi nomeado capitão-donatário da capitania de Machico e João Gonçalves Zarco, que teve seu nome acrescido da alcunha, CÂMARA DOS LOBOS, foi nomeado capitão donatário da capitania do Funchal. 

Para dar início à colonização do arquipélago, os dois capitães-donatários levaram, na primeira viagem, suas famílias, um pequeno grupo de pessoas da média e pequena nobreza, levaram famílias de condições modestas e alguns antigos presidiários do reino. Essa forma de colonização da Ilha da Madeira serviu também como modelo para a colonização do Brasil, baseado nas capitanias hereditárias e nas sesmarias.

Foi no arquipélago da Madeira que o mercador e grande navegador genovês, Cristóvão Colombo, aprofundou seus conhecimentos na arte de navegar e planejou a sua célebre viagem para descobrir as Américas.

O arquipélago da Madeira tem atualmente 350 mil habitantes, faz parte da zona do Euro e é a 2ª região mais rica de Portugal, com um PIB per capita de 103% (acima da média Europeia).

 

BRAVE BIOGRAFIA DE JOÃO GONÇALVES ZARCO DA CÂMARA DOS LOBOS:

Foi casado com a bela donzela, Constança Rodrigues, com quem teve vários filhos: 

  1. João Gonçalves da Câmara (nasceu no Funchal, Ilha da Madeira em 26 de março de 1501), Casado com D. Mécia de Noronha, filha de Dom João Henriques de Noronha. 
  2. Rui Gonçalves da Câmara, 3.º capitão donatário da Ilha de São Miguel, Açores. Foi casado com Maria de Bettencourt, filha de Maciot de Bettencourt de Teguise. Além dos 4 filhos com Maria Bettencourt, Rui da Câmara teve 1 filho bastardo com Maria Rodrigues e mais 3 filhos com uma donzela casada e muito bela da corte portuguesa.
  3. Garcia Rodrigues da Câmara, foi casado com Violante de Freitas e tiveram 5 filhos.
  4. Beatriz Gonçalves da Câmara, foi casada com Diogo Cabral e tiveram 3 filhos.
  5. Isabel Gonçalves da Câmara, casada com Diogo Afonso de Aguiar, “o Velho”, filho de Pedro Afonso de Aguiar, fidalgo da Casa de Real de Household, e de Mécia de Sequeira. Tiveram 2 filhos.
  6. Helena Gonçalves da Câmara, casada com Martim Mendes de Vasconcelos (descendente de Carlos Magno, Hugo Capeto e Fernando I de Castela), Filho de Martim Mendes de Vasconcelos e sua esposa Inês Martins de Alvarenga.
  7. Catarina Gonçalves da Câmara, casado com Garcia Homem de Sousa e teveram 4 filhos.

OBRAS E ESCRITURAS:
A vida de João Gonçalves Zarco está relatada na novela de Arkan Simaan, L’Écuyer d’Henri le Navigateur, Harmattan, Paris, 2007.

Deixe uma resposta